Publicado em: terça-feira, 20/09/2011

Moradores de aldeia no Iêmen “aceitam” problemas causados pela guerra

Quem reside em Senna, aldeia de pedra localizada em cima das montanhas que cercam a capital de Iêmen, está acostumado com a guerra, a pobreza e a falta de condições de moradia. Eles ficam dias com apenas algumas horas de energia elétrica e a empresa que fornecia gás de cozinha raramente distribui o produto agora.

Desde que o presidente Ali Abdullah Saleh se recusou a entregar o poder após manifestações para que ele saísse, o Iêmen vive momentos de caos. Porém, os moradores se adaptam a crise e cuidam de si mesmos. Ninguém sabe quem está governando o país, pois o presidente está na Arábia Saudita se recuperando de um ataque que atingiu o palácio presidencial em junho.

Mas, antes mesmo da crise, os iemenitas estão acostumados com as guerras tribais e a pobreza, por isso criaram sua própria ordem social. Eles aprendem a lidar com praticamente tudo e qualquer situação. Há meses eles esperam horas, até mesmo dias, para colocarem gasolina nos tanques de seus carros. Eles enfrentam engarrafamentos pela falta de agentes de trânsito. Mesmo que quisessem, há pouco que se fazer. Quando falta eletricidade, usam velas.

Por mais que não seja desejada, a expectativa de guerra é tratada normalmente. Apesar de sentirem-se aterrorizados quando o fogo de artilharia atingiu a aldeia, eles não vivem em constante medo devido a ameaça de uma guerra. Estão acostumados. Tudo é normal.