Publicado em: quinta-feira, 29/05/2014

Modelo presa na China relembra momentos de tensão

Modelo presa na China relembra momentos de tensãoA modelo brasileira Amanda Griza foi uma dos profissionais detidos na China por trabalho ilegal. A bela chegou ao aeroporto de Florianópolis no último dia 26 de maio. Ela é natural da cidade de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina. Ela e a mãe, Elena, foram até o programa “Encontro”, da apresentadora Fátima Bernardes, para contarem sobre o drama.

Amanda se mostrou muito emocionada na televisão. Mesmo assim, ela confessou que não guarda nenhuma mágoa de toda a situação que passou. Apesar disso, ela não pretende mais trabalhar na China. Ela relembra tudo o que aconteceu e não consegue sentir raiva do dono da empresa que a contratou.

Por incrível que pareça, ela diz que só tem a agradecer por tudo o que passou porque foi um grande aprendizado. Amanda diz que mudou a forma de pensar depois de ter sido presa. Isso porque passou a dar mais valor para as coisas e sabe que tem muito amor para dar.

Amanda viajou para a China com um visto de negócio porque recebeu uma carta da agência de Pequim solicitando exatamente esse tipo de documento. O visto dava direito a permanecer no país pelo período de quatro meses. Mas, ela só poderia realizar os testes de modelo. Ou seja, Amanda não poderia ganhar salário na China.

Depois da confusão na imigração, Amanda foi presa. Ela conta que começou a sentir desespero depois de 30 horas na prisão. A modelo afirma que os policiais agiram com violência. Ela diz que os modelos presos começaram a bater na porta e, por isso, os policiais entraram no quarto e a arrastaram sozinha para outra sala.

Amanda diz que trataram ela como se fosse louca. Em um momento, ela tentou colocar a mãe em uma das telas do local e um policial tentou queimá-la com cigarro. A modelo tem 19 anos de idade e ficou presa na China por 17 dias. Ela conseguiu se comunicar com a mãe pelo celular, mas depois o aparelho foi confiscado.