Publicado em: quarta-feira, 05/03/2014

Mocidade Alegre conquista o título do Carnaval de São Paulo

Mocidade Alegre conquista o título do Carnaval de São PauloNesta terça-feira, 4 de março, foi realizada a apuração das notas do Carnaval de São Paulo. O resultado deu o terceiro título seguido à Mocidade Alegre. Esta foi a segunda vez na história que a escola conquista um tricampeonato – a primeira vez aconteceu nos anos de 1971, 1972 e 1973. Ao todo, a Mocidade possui dez títulos do Carnaval de São Paulo.

A apuração

A disputa pelo título do Carnaval paulistano estava acirrada e indefinida até o quesito Evolução, antepenúltimo da lista. Neste critério de avaliação, os juízes foram bastante rigorosos. A Mocidade Alegre foi a única do topo a não perder pontos em Evolução, o que permitiu certo distanciamento das concorrentes. Nas categorias finais, de Harmonia e Alegoria, a Mocidade seguiu sem desperdiçar pontos, confirmando o tricampeonato. Ao todo, a escola campeã somou 269,7 pontos.

Curiosamente, o vice-campeonato também foi “tri”. Pela terceira vez seguida, a Rosas de Ouro ficou com a segunda posição no Carnaval da cidade.

Enredo

Para 2014, a Mocidade Alegre apostou na fé como samba-enredo. A escola entrou na avenida na madrugada de sábado, logo após a Gaviões da Fiel. Apesar do domínio da Gaviões nas arquibancadas, a Mocidade conseguiu chamar a atenção com seu enredo, assinado por Márcio Gonçalves e Sidnei França. A letra trazia como principal inspiração as diferentes maneiras de se viver a fé.

Na avenida, foi possível acompanhar referências ao cristianismo, islamismo, candomblé, espiritismo e muito mais. Ao todo, a Mocidade Alegre contou com 3500 participantes neste Carnaval.

A exploração do tema pela escola foi muito elogiada por público e crítica. Embora o desfile tenha sido dominado pelos benefícios da fé, a Mocidade também reservou um momento para falar sobre o lado negativo da religião, como a comercialização de falsos produtos religiosos e a exploração financeira de fieis. Apesar de sua evolução impecável na avenida, a Mocidade Alegre chegou a ter momentos tensos no desfile. Já na reta final da apresentação, a escola esteve muito perto de ter seu tempo estourado, mas conseguiu passar com o último carro nos segundos finais.

Rebaixamento

Se, na Mocidade Alegre, a tarde de terça-feira foi de festa, o mesmo não pode ser dito de Leandro de Itaquera e Pérola Negra. As duas escolas foram as rebaixadas no Carnaval de São Paulo em 2014. No caso da Leandro, os dirigentes acreditam que a chuva de granizo que caiu no sambódromo foi a responsável pela perda de pontos no quesito Evolução, maior problema da Leandro de Itaquera no final de semana.

A Pérola Negra, por sua vez, não consegue encontrar motivos que justifiquem o rebaixamento. De acordo com Edílson Casal, presidente da escola, o resultado foi uma surpresa para os membros da escola, que esperavam notas ruins apenas no quesito Mestre-Sala e Porta-Bandeira. O dirigente, entretanto, preferiu não comentar em detalhes a avaliação dos jurados. Em 2014, a Pérola Negra completa quarenta anos de existência. A Nenê de Vila Matilde, que vinha na lanterna até a reta final da apuração, se salvou por quatro décimos.