Publicado em: sábado, 31/03/2012

Ministros da Zona do euro concordam em aumentar empréstimos para países em recuperação

Os ministros das Finanças da zona do euro fizeram um último acordo para aumentar a quantidade de dinheiro destinado à proteção financeira dos países em recuperação. O objetivo dessa ajuda é evitar que haja uma piora da crise da dívida nos países em maior dificuldade.

Embora tenha havia a concordância, não se sabe se o G20 e os mercados parceiros vão considerar o valor apresentado como suficiente. O bloco entrou num acordo para repassar dois fundos. O primeiro deles terá o valor de 500 bilhões de euros e será repassado até 2013. Também faz parte do acordo o valor de 200 bilhões de euros para auxiliar especificamente três países em situação de emergência: a Grécia, Irlanda e Portugal.

A Comissão Europeia, que reúne representantes dos países europeus, queria aumentar o valor para 940 bilhões de euros. No entanto, a Alemanha discordou da ajuda, pois considerou o valor muito elevado. O valor decidido, segundo Carsten Brzeski, economista do ING, foi o menor valor esperado pelos países e o máximo que o governo alemão se dispôs a pagar. Esse valor foi comunicado pelos ministros e indica um auxílio que passa de 500 bilhões para 700 bilhões de euros. Ao todo, segundo o comunicado, serão 800 bilhões de euros, o que equivale a mais de 1 trilhão de dólares destinados para a recuperação da economia desses países e consequentemente da economia global.

De acordo com François Baroin, ministro das Finanças da França, essa decisão deu à Europa mais força para que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outras economias aumentem os recursos para minimizar a crise econômica. Segundo o ministro, esse aumento da ajuda por parte da União Européia coloca a região em uma posição mais forte para discutir novos acordos com o FMI. Essa informação causa questionamentos em investidores sobre uma possível bolha imobiliária na Espanha e se esse dinheiro seria suficiente ou não para conter o problema.