Publicado em: quinta-feira, 01/12/2011

Ministros concordam em aplicar novas sanções ao Irã

Os ministros de Relações Exteriores da UE (União Europeia) concordaram nesta quinta-feira (01) em expandir as sanções ao Irã por conta do mais recente relatório divulgado pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), que indica o desenvolvimento do programa nuclear para a construção de armas atômicas. Os ministros acrescentaram 180 nomes à lista de pessoas e entidades que vão ter seus bens congelados em conseqüência da conclusão do relatório.

Em contrapartida, o Irã nega todas as acusações sobre a intenção de desenvolver armas atômicas e declarou que seu programa nuclear tem fins puramente civis. Logo quando o relatório foi divulgado, o Irã havia acusado os Estados Unidos de terem armas atômicas, dizendo que de nada adiantaria construir uma bomba em comparação à suposta quantidade armazenada pelo país norte-americano. As pessoas e entidades que vão ter seus bens congelados devem ser divulgadas em lista na próxima sexta-feira (02).

Além das sanções relativas ao congelamento dos bens, aqueles que forem incluídos na lista não vão poder entrar na União Européia. Ao mesmo tempo em que concordaram com a aplicação dessas medidas, os ministros não chegaram a um consenso sobre a questão do petróleo iraniano. De acordo com o ministro francês, Alain Juppé, a Grécia é dependente do produto e não concordou com a proposta apresentada.

No relatório da AIEA, a instituição afirmou que tem “sérias preocupações a respeito das dimensões militares do programa nuclear iraniano”. O documento mostra que encontrou evidências de que o Irã “praticou atividades relevantes para o desenvolvimento de um dispositivo nuclear explosivo”.