Publicado em: quinta-feira, 27/06/2013

Ministro Joaquim Barbosa é favorável a reforma política que venha a reduzir poder de partidos

Ministro Joaquim Barbosa é favorável a reforma política que venha a reduzir poder de partidosO Ministro Joaquim Barbosa que preside o Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou durante a terça-feira (25) que o Brasil necessita de uma reforma política que venha a diminuir a influência que os partidos tem para a escolha de candidatos e que venha a aumentar a participação do povo no precesso. Conforme ele, a população brasileira não quer decisões através de acordos.

Em entrevista no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Barbosa relatou temas sobre a conversa que teve junto com a presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira (25) em audiência que ocorreu no Palácio do Planalto. Conforme aponta Barbosa, os dois estiveram falando sobre manifestações de protesto que tomaram conta do país. Ele afirmou que falou para a Presidente que existe uma vontade do povo para que seja reduzido o peso que os partidos políticos tem na vida política do Brasil.

O Presidente do STF ressalvou que não defende que exista uma supressão dos partidos políticos, porém disse que é favorável para que sejam possibilitadas candidaturas avulsas, que não sejam atreladas com partidos. Ele afirmou que há democracias que podem foram permitidos os votos avulsos, e que tiveram sucesso nesta causa.

Joaquim Barbosa afirma que a sociedade do Brasil se vê ansiosa para que se veja livre dos grilhões de partidos que tem pesado sobre o ombro e vê isso como sendo muito salutar.

Quando questionado sobre um plebiscito para que exista uma decisão sobre a reforma política, ele afirmou que é necessária que seja ampliada a participação do povo nas reformas, pois diz que o Brasil já passou por muitas reformas de cúpula e agora é hora de acabar com esses conchavos.

O Ministro afirmou que não iria responder sobre a necessidade ou não de um processo constituinte para que fosse feita a reforma política, que foi uma proposta que a Presidente Dilma Rousseff apresentou durante a segunda-feira durante reunião junto a governadores e com prefeitos e que na terça-feira já havia desistido.