Publicado em: terça-feira, 05/07/2011

Ministro dos Transportes permanece no cargo para investigar denúncias

Para investigar as denúncias apuradas pela revista Veja sobre o superfaturamento do Ministério dos Transportes para a realização de obras, o ministro Alfredo Nascimento foi pressionado para abrir uma Comissão de Sindicância Investigativa. As denúncias com relação ao Ministério foram levantadas no último final de semana. Antes de abrir a Comissão, Nascimento teria deixado seu cargo à disposição da presidente, que não aceitou a atitude. Dilma exibiu que ele lidasse com as consequências das acusações.

De acordo com a investigação feita pela revista Veja, o Ministério dos Transportes estaria cobrando taxa de propina de 4% a 5% por cada obra realizada para garantir que determinadas empresas assumissem os projetos. Mesmo ainda no comando no Ministério, Nascimento terá que comprovar que as denúncias estão ligadas somente aos cargos que não funcionam no seu gabinete. Além de exigir que continuasse no cargo, Dilma também aconselhou que se colocasse à disposição para audiências.

Publicado hoje (05) no Diário Oficial da União, os funcionários da cúpula do Ministério dos Transportes Mauro Barbosa da Silva e Luís Tito Bonvini foram demitidos dos seus cargos. Além destes, Luís Antônio Pagot e José Francisco das Neves já haviam sido afastados no último sábado (02). De acordo com a publicação, a Comissão foi aberta para apurar as informações da imprensa.

Quando as acusações explodiram, Nascimento lançou um pronunciamento afirmando que não tem conhecimento sobre condutas ilícitas e que a correta administração pública é uma das marcas da sua carreira. Dilma também lançou uma nota reforçando sua confiança no ministro e garante que ele estará no comando das investigações.