Publicado em: quinta-feira, 10/11/2011

Ministro do Trabalho vai à Câmara para falar sobre acusações de corrupção

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, falou nesta quinta-feira (10) na Câmara dos Deputados para a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara sobre as acusações contra o seu Ministério, as quais mostram um suposto esquema de recebimento de propina vinculado a Organizações Não-Governamentais (ONGs). Ao mesmo tempo em que se declarou inocente das acusações, Lupi falou sobre a situação na pasta e os procedimentos realizados que estão sob ataque.

A crise no Ministério do Trabalho é semelhante à do Esporte, pois ambas têm as ONGs como recursos para conseguir aprovar a liberação de verbas e desviar certa porcentagem para as pessoas envolvidas no esquema. No caso do recente escândalo, a pasta de Lupi estaria desviando de 5% a 15% em propina. A denúncia foi inicialmente feita pelo portal IG, mas a revista Veja reforçou as acusações em edição publicada na última semana.

O ministro já afirmou em entrevistas que o assunto está “superado”, pois, de acordo com ele “a gente já deu as respostas que tinha que dar, apresentou os documentos, o procurador-geral da República [Roberto Gurgel] já se pronunciou. Agora, estou aqui para trabalhar”. Lupi lembrou que o Ministério conta com cerca de 10 mil funcionários e que a equipe que trabalha diretamente com ele não está envolvida no escândalo.

Lupi ressaltou que se algum funcionário do vigésimo escalão estiver envolvido no esquema de desvio de verbas, não tem como acompanhar todas as atividades de todos os funcionários. Para o ministro, as informações sobre irregularidades são “vazias e irresponsáveis”.