Publicado em: sábado, 21/07/2012

Ministro da Saúde descarta possibilidade de ampliar campanha de vacinação contra gripe A na Região Sul

Segundo Alexandre Padilha, ministro da Saúde, não há risco de epidemia da influenza A (H1N1) – doença que ficou mais conhecida, desde 2009, como gripe suína – nem no Brasil e nem na Região Sul do país, embora somente este ano já tenham sido detectadas 123 mortes na região. Além disso, o ministro descartou a possibilidade que vinha sendo discutida de ampliação da campanha de vacinação contra a doença na região.

Padilha ressalta a importância da orientação médica aos pacientes

Padilha apenas ressaltou que a orientação do ministério para os médicos e enfermeiros é que assim que forem detectados os sintomas da doença é para receitar o antiviral oseltamivir – Tamiflu – aos pacientes. Segundo ele, neste momento o antiviral é mais importante, pois seu efeito é imediato, ao contrário da vacina que tem efeito depois de 10 a 15 dias de aplicada. Padilha também ressaltou a importância da orientação dos pacientes em todas as cidades da região, principalmente os profissionais da saúde para que receitem o Tamiflu, mesmo que o exame ainda não tenha sido feito para confirmar a doença. As declarações do ministro foram dadas depois da sua participação no evento para liberação de dinheiro para investimento no Hospital das Clínicas (HC) da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Ministro afirma que situação atual é diferente de 2009

Padilha ressaltou que não há motivos para pânico, já que a situação atual é diferente daquela vivida em 2009, quando cerca de 2 mil pessoas morreram depois de adquirirem o vírus H1N1. Diferente de 2009, hoje já há maior detecção do vírus, assim como maior quantidade de postos de coleta para diagnosticar a doença. Os últimos dados do Ministério da Saúde indicaram que houve, em 2012, 159 mortes em decorrência da doença.