Publicado em: quarta-feira, 03/08/2011

Ministro da Agricultura se defende das acusações levantadas por ex-diretor da Conab

Nessa quarta-feira (03) pela manhã, o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, prestou depoimentos à Comissão de Agricultura da Câmara para dar explicações sobre as denúncias levantadas pelo ex-diretor da Confederação Nacional de Abastecimento (Conab), Oscar Jucá Neto. A decisão em conceder uma entrevista à revista Veja veio logo após Jucá Neto ter sido demitido do seu cargo de diretor. De acordo com ele, o ministro teria oferecido propina para deixar a Conab em silêncio.

Durante sua fala, Rossi defende que “ele [Jucá Neto] tenta transformar um caso estritamente administrativo, em que ele foi pego em infração gravíssima, ele quis transformar em caso político. Agredindo a todos, seus colegas de trabalho na Conab e inclusive esse ministro que aqui está.” Além disso, Rossi informou que o motivo para a demissão de Jucá Neto foi ter autorizado a liberação de 8 milhões de reais à Renascença, empresa cujo registro está sob nomes de laranjas.

Com relação a uma denúncia contra o Ministério de ter vendido um terreno pelo mesmo valor de 8 milhões de reais, com a diferença que isso representa um quarto do valor estipulado pelo mercado, Rossi argumenta que foi realizada uma avaliação pela Caixa Econômica Federal para se chegar ao preço do lote.

O local vendido fica localizado em uma área nobre de Brasília, mas Rossi explica que o lugar só poderia ser usado para a construção de um clube. Porém, outros terrenos semelhantes servem de endereço para resorts e hotéis de luxo. O pronunciamento de Rossi durou 40 minutos e foi aplaudido no término da sua fala.