Publicado em: terça-feira, 20/11/2012

Ministra do Planejamento diz que atraso em obras do PAC é regra do jogo

Ministra do Planejamento diz que atraso em obras do PAC é 'regra do jogo'Miriam Belchior, ministra do Planejamento disse em uma apresentação do balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que atraso em obras “é regra do jogo”.

Belchior tem responsabilidade no programa do governo sobre obras públicas. Nos anos de 2010 até 2012, o PAC fez 40% dos gastos que estavam contados até o ano da Copa do Mundo e grandiosos projetos de refinarias, estradas, ferrovias, e canais de irrigação que estão dois anos ou mais de atraso.

A frase dita pela ministra ocorreu quando ela realizava explicações sobre o critério para as classificações das obras do programa no. Obras que o governo considera mais importantes recebe carimbos verde (adequado), amarelo (atenção) ou vermelho (preocupante).

Sempre que as obras que estão sendo monitoradas tem algum atraso, o governo faz o reajuste do prazo delas, aumentando o tempo previsto para que sejam encerradas. Quando existe a alteração, normalmente altera o carimbo para a cor verde.

Belchio diz que os carimbos amarelo e vermelho, significam os riscos que a obra tem para que continue, ela diz que se fossem contados os dias de atraso, todas as obras feitas pelo PAC estariam como preoucupantes. A ministra enfim disse que atraso é da regra do jogo, e que o tamanho do atraso deve ser verificado de maneira proporcional com o período para qual a obra estrá prevista. Desta forma, o que é colocado é uma criticidade.

Mudanças no trem-bala

O maior caso sobre as mudanças é o do trem-bala que faria a ligação entre São Paulo e o Rio de Janeiro. Os balanços do PAC 1 mostravam que a licitação iria terminar no ano de 2010. Porém não há sequer um edital publicado.

Isto também acontece nas refinarias da Petrobras nos Estados de Pernambuco e do Rio de Janeiro. Ambos eram previstos para serem concluídos no ano de 2010, mas a refinaria de Pernambuco conta com 64% do projeto concluído, e a do Rio com apenas 41%.