Publicado em: quinta-feira, 29/05/2014

Ministra afirma que Aécio deforma o programa Bolsa Família

Ministra afirma que Aécio deforma o programa Bolsa FamíliaAtualmente, o programa Bolsa Família beneficia 50 milhões de pessoas e tem um gasto de cerca de R$25 bilhões a cada ano. Um projeto de lei do senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi aprovada em comissão para estender o auxílio para mais seis meses. Na opinião ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, essa ideia deturpa a verdadeira essência do programa de transferência de renda.

Campello diz que é contra essa iniciativa de Aécio porque tira o foco da população baixa renda. O objetivo do Ministério é que o Bolsa Família continue atendendo à demanda pobre da sociedade brasileira para que ele seja bem sucedido. A proposta do senador prevê que o beneficiário que aumentar sua renda e passe a ficar fora do programa, continue recebendo o pagamento por mais seis meses e só depois saia do Bols Família.

Atualmente, o benefício é pago apara aquelas famílias que têm renda mensal de R$154 por pessoa. Quando a renda por pessoa sobe para até meio salário mínimo, a bolsa continua por um período máximo de até dois anos. A proposta de Aécio é somar mais seis meses nesse tempo que já é exercido.

Além disso, Aécio quer que não haja mais limite para a variação da renda familiar. Para justificar essas medidas, ele diz que a proposta pretende evitar que o trabalhador tenha uma renda oscilável. Aécio diz que, da forma como funciona hoje, o trabalhador deixa de ser beneficiado quando a renda da família é incrementada e depois quando não tem mais esse extra, precisa recorrer ao programa de novo.

A proposta já está aprovada na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Para entrar em vigor, o próximo passo é ter aprovação na Comissão de Direitos Humanos e também na Câmara dos Deputados. Campello ressalta que o Bolsa Família é uma porta de entrada para o cidadão ter acesso à saúde e educação. Além disso, ela reafirma que o programa foi capaz de reduzir a mortalidade infantil e proporcionar acesso também ao Minha Casa Minha Vida.