Publicado em: quinta-feira, 02/02/2012

Ministério Público inicia investigações sobre vazamento na Bacia de Santos

Nesta quinta-feira (2), o Ministério Público Federal decidiu abrir inquérito para investigar os motivos do vazamento de petróleo na Bacia de Santos e também quais serão os possíveis danos ao meio ambiente que o acidente poderá causar. Os promotores do caso pretendem reunir provas para mostrar que a responsabilidade é da Petrobras, que opera a plataforma em que aconteceu o vazamento. A empresa estatal informou que o total de petróleo que vazou equivale a 160 barris.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a mancha que resultou do vazamento está cerca de 300 quilômetros distante da costa e não corre o risco de chegar ao continente. O petróleo que vazou cobriu uma área de aproximadamente 70 quilômetros quadrados, o equivalente a cerca de dez campos de futebol.

Até ontem (1º) a Petrobras já havia retirado cerca de 15 mil litros de água que estava contaminada com óleo do vazamento. O restante deverá ser dispersado por dois navios da empresa. O Ibama já informou que a estatal tem até segunda-feira (6) para entregar um documento detalhado sobre o vazamento. Depois disso, o próprio instituto irá estudar a punição para a empresa.

Na terça-feira (31), a coluna de produção não suportou a pressão e se rompeu, fazendo com que cerca de 25 mil litros de petróleo, o equivalente a 160 barris, acabasse vazando e indo parar no oceano. Logo em seguida, um sistema automático fechou o poço, para evitar que o acidente fosse ainda maior. Esse foi o primeiro acidente registrado na região do pré-sal.