Publicado em: quarta-feira, 06/07/2011

Ministério dos Transportes: Presidente deve indicar nome para DNIT

Escândalo do Ministério dos Transportes, publicado primeiramente pela revista Veja, exigiu a troca de Luiz Antonio Pagot, ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Mesmo não afastado do cargo de ministro, Alfredo Nascimento perde força na atuação com o Governo dentro da sua própria pasta. Apesar de ter sugerido que o diretor executivo do DNIT, José Enrique Sadok, assumisse o posto de Pagot, a presidente Dilma deve indicar Hideraldo Caron, diretor de Infraestrutura Rodoviária do DNIT.

Em conversa com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, Nascimento argumentou que deveria ser seguida a ordem hierárquica dos cargos para definir quem subiria ao comando do DNIT. A discordância entre o Governo e Nascimento é um sinal da perda de autonomia que o ministro tem na casa. Dilma conhece Caron há muito tempo, quando ainda trabalhavam para o governo do Rio Grande do Sul. Petistas consideram Caron um trabalhador competente e com características mais técnicas.

Além da necessidade de indicar novos nomes para substituir os cargos que foram liberados, Dilma exigiu que todas as licitações do Ministério dos Transportes fossem suspendidas pelo prazo de 30 dias. Junto ao ex-diretor-geral do DNIT, também foi afastado o dirigente da Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. (Valec), José Francisco das Neves.

A suspensão ordenada por Dilma acaba gerando consequências nas obras e projetos programados para serem continuados ou iniciados. A BR-381, por exemplo, terá sua duplicação paralisada pelo período de um mês estipulado pela presidente. Por estar sob pressão do Governo, Nascimento ordenou de imediato a suspensão das licitações.