Publicado em: terça-feira, 08/11/2011

Ministério do Trabalho abre sindicância para apurar acusações de corrupção

A edição desta terça-feira (08) do Diário Oficial da União (DOU) publicou a abertura de uma sindicância pelo Ministério do Trabalho para apurar as acusações feitas contra a pasta no caso de cobrança de propina em convênios com ONGs. A publicação mostrou a assinatura do atual ministro, Carlos Lupi, e determina que a Comissão tem o prazo de 30 dias para concluir o trabalho. As denúncias começaram no sábado (05) com a edição da revista Veja.

De acordo com a reportagem publicada, o esquema funcionaria de maneira semelhante ao que foi identificado nos Ministérios do Turismo e do Esporte. A revista mostra que os assessores de Lupi, todos vinculados ao PDT, mesmo partido do ministro, estariam cobrando propina de 5% a 15% do valor dos convênios para resolver as pendências e liberar verbas a ONGs que estavam enfrentando suspeitas de irregularidades. A Comissão será composta por: Fernando Antônio de Araújo Lima Júnior, auditor-fiscal do trabalho, que a presidirá; Márcio Vinícius Dias Freitas, auditor-fiscal do trabalho; e Luiz Antonio Penha, agente administrativo.

A mesma publicação do DOU mostra que o ministro autorizou o afastamento do servidor Anderson Alexandre dos Santos, que foi citado pela reportagem da Veja. Caso o presidente da Comissão precise se afastar, quem o substituirá é Márcio Freitas da Silva.

Com a pressão das acusações, Lupi busca manter o apoio da bancada do PDT na Câmara para ganhar sobrevida no Ministério até janeiro. Caso consiga durar até o começo de 2012, Lupi deixará o Ministério para retomar suas atividades como presidente do PDT.