Publicado em: sábado, 29/10/2011

Ministério do Esporte cancela 7 convênios vinculados ao Segundo Tempo

O Ministério do Esporte cancelou na última sexta-feira (28) sete convênios com o programa Segundo Tempo, principal alvo de denúncias sobre o suposto esquema de corrupção que derrubou o ex-ministro Orlando Silva (PCdoB). Todos os valores dos contratos somados chegam a R$ 9,4 milhões e alguns deles envolveriam instituições vinculadas ao PCdoB, partido também acusado nos últimos dias de ter participado do esquema recebendo propina para os seus cofres.

Quando procurada para explicar o motivo pelos quais os contratos foram cancelados, a assessoria de imprensa do Ministério afirmou que não estava com tempo para responder. Uma das instituições cortada dos convênios é a Associação Ação Solidária e Inclusão Social, que recebeu R$ 372 mil para atender 1.182 crianças. As acusações contra a atuação do Ministério partiram do policial militar João Dias Ferreira, que atualmente está sendo processado por desvio de dinheiro. O PM também teria participação em uma das ONGs que fazem parte do esquema de fraude.

De acordo com Dias Ferreira, o ex-ministro seria quem organiza o sistema de repasse de verbas. Apesar de ter prestado depoimento à Polícia Federal e de ter entregado diversos documentos, mídias, arquivos de áudio e um celular, o PM admitiu que nenhuma das provas têm a voz de Silva ou faz a ligação direta com o ex-ministro.

A exoneração de Silva foi confirmada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) abriu inquérito para investigar o então ministro. Em seu lugar, a presidenta Dila Rousseff (PT) convidou Aldo Rebelo (PCdoB-SP) para assumir a pasta.