Publicado em: sábado, 07/04/2012

Ministério da Pesca forneceu R$ 770 mil a projeto de ONG que não foi realizado

Durante o período em que o Ministério da Pesca foi comandado por Ideli Salvati, a pasta liberou R$ 769,9 mil para uma ONG de propriedade de um funcionário do governo de Agnelo Queiroz. O dinheiro foi destinado a ONG de uma só vez. O objetivo era a implantação de um projeto de criação de peixes na região do Distrito Federal. O maior problema é que o projeto nunca saiu do papel.

O projeto teria o nome de Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Integral da Natureza – Pró-Natureza e seria dirigido por Salviano Antônio Guimarães Borges, da Codeplan. O projeto foi enviado ao ministério com a justificativa de que na região de Brasília havia grande quantidade de viveiros de peixe que precisavam de reestruturação. No entanto, até hoje nenhum viveiro foi instalado na região e não há dados estatísticos sobre o assunto na região. O dinheiro já foi liberado há 11 meses pelo Ministério.

De acordo, com o agricultor Joami de Souza Ramos, morador do Núcleo Rural Rajadinha, em Planaltina (DF), a ONG ofereceu o projeto no final de 2012, mas os representantes não apareceram durante três meses. Há cerca de 15 dias voltaram e disseram que os tanques serão instalados até julho. O maior problema, no entanto, é que não são para criadores de peixes que já trabalhavam no setor.

Segundo o agricultor, ele nunca criou peixes e nem participou de outras atividades da ONG. Isso indica que, embora o projeto esteja sendo instalado agora, não é para um público voltado para o setor como previa o projeto, que alegava ser uma região com muitos produtores e que, por isso, era necessária a aprovação de verbas. Além disso, mesmo sem ter nenhum tanque pré-instalado, a ONG pediu mais 224,7 mil para as obras. A atual ministra de Relações Institucionais alegou que o contrato com a ONG não foi feito durante sua gestão.