Publicado em: terça-feira, 12/03/2013

Ministério da Justiça tenta novo pedido para que Salvatore Cacciola seja extraditado ao Brasil

Ministério da Justiça tenta novo pedido para que Salvatore Cacciola seja extraditado ao BrasilO Ministério da Justiça vai enviar durante os próximos dias para a Justiça de Mônaco um pedido para a extensão da extradição do ex-banqueiro Salvatore Cacciola, para que os processos que existem contra ele possam ter prosseguimento na Justiça do Brasil.

Esta medida se torna necessária para que ocorra a extradição de Cacciola que foi concedida no ano de 2008 e tinha especificidade para apenas um dos processos, em que o banqueiro tinha sido condenado no ano de 2005 a cumprir 13 anos de prisão devido a peculato e gestão fraudulenta. Porém há outras ações que envolvem o italiano.

Este pedido de uma extensão de extradição foi realizado pela Justiça Federal da capital Brasília, onde está correndo uma ação penal que faz com que ele seja acusado de utilizar documentos falsos, ter falsificado documentos particulares além de falsidade ideológica. Este processo só continuará se a Justiça de Mônaco autorizar este aumento da extradição de Cacciola.

A diretora Izaura Soares do Departamento de Estrangeiros no ministério diz que casos como esse deve ter uma celeridade para que estes processos possam ter continuidade.

O banqueiro Salvatore Cacciola saiu do o país depois de um habeas corpus que o STF liberou no ano de 2000 e foi descoberto Mônaco no ano de 2007. Cacciola ficou na penitenciária de Bangu entre 2008 até agosto de 2011, quando ficou no regime semiaberto. No mês de abril de 2012 teve indulto da Justiça, pois foi considerado que o banqueiro já tinha cumprido toda a sua pena.

Segundo o advogado Carlos Eluf que faz a defesa de Salvatore Cacciola, esta nova medida não vai ter efeito algum, pois quando foi feita a extradição, houve um acordo entre os dois países para que esta extradição ficasse restrita apenas para aquele processo.