Publicado em: sábado, 10/03/2012

Minas Gerais: universitária sofre queimaduras em trote

O caso da estudante Thaís D’Eleutério Costa, de 20 anos, está sendo investigado pela Polícia Civil, desde que, na quinta-feira (8), a jovem sofreu com diversas queimaduras no corpo depois de ter partes de si atingida por um líquido preto, enquanto acontecia o trote aplicado nos calouros da Escola Agrotécnica Federal de Machado, localizado na região Sul de Minas Gerais.

A estudante foi acompanhada da mãe procurar a Polícia Militar para denunciar a agressão sofrida pelos colegas. Segundo o boletim de ocorrência registrado, a estudante universitária participava da ação de recepção aos calouros, quando inesperadamente, um líquido preto foi despejado nos calouros.

A substância desconhecida acertou o pescoço e as costas da universitária, que ficou com queimaduras leves nessas regiões, mas se queixando de irritação na pele. No mesmo dia do ocorrido, quinta feira, a jovem foi até o Hospital Municipal, sendo prontamente medicada. De acordo com a Polícia Militar, a universitária não sabe informar que teria sido o responsável pelo despejo do líquido.

À imprensa, a direção da Escola Agrária Federal de Machado declarou que não é permitido a realização de trotes dentro da universidade, e que o ocorrido que precisou ser denunciado a PM aconteceu fora do território da instituição.

A Escola Agrotécnica Federal de Machado

No ano de 1918, foi inaugurado o Patronato Agrícola, ligado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio. Os internos no colégio eram compostos por meninos que haviam sido entregues à polícia pelos pais, tutores ou parentes, além de menores presos nas ruas ou entregues por desconhecidos.

Já em 1934, o Patronato se transformou em Aprendizado Agrícola Minas Gerais, seguindo a mesma estrutura anterior. Somente em 1939 é que o perfil dos alunos mudou, já que não mais poderiam ser admitidos menores que foram abandonados, delinquentes ou com apresentação de má conduta.

Em 1941, o público que frequentava a Escola girava em torno de 11 a 18 anos, filhos de proprietários rurais, trabalhadores e operários da indústria agrícola. Foi apenas no ano de 1998 que a escola passou a ofertar sete habilitações, juntamente com os cursos de: Agropecuária, Agricultura, Zootecnia, Agroindústria, Agrimensura e Informática.

A Escola Agrotécnica Federal de Machado foi inaugurada inicialmente com o nome de Escola de Iniciação Agrícola de Machado, no dia 3 de julho de 1957, e somente pelo Decreto nº 83.935, em 1979 passou a chamar-se Escola Agrotécnica Federal de Machado.