Publicado em: sexta-feira, 05/08/2011

Militares reprovam escolha de Celso Amorim como ministro da Defesa

A saída do ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, publicada na edição de hoje (05) do Diário Oficial da União gerou descontentamento das Forças Armadas com relação à escolha do governo federal. Para substituir Jobim, a presidente Dilma Housseff escolheu o ex-ministro das Relações Exteriores do governo Lula, Celso Amorim, para ocupar o cargo. A decisão também foi publicada no DOU, o que oficializa Amorim como novo ministro da Defesa.

Um dos principais motivos para manter Jobim no cargo de ministro era por conta da sua relação com os militares. Com o anúncio da escolha de Amorim, representantes das Forças Armadas se manifestaram dizendo que essa foi “a pior surpresa” dos últimos anos e que a indicação pelo nome de Amorim tem “o dedo de Lula”. Porém, por fazerem parte de uma cultura extretamente disciplinada, os militares não tem intenção de planejarem alguma manifestação contrária ao governo.

Para o senador e líder do DEM, Demóstenes Torres, “foi uma péssima troca. Jobim foi o único que conseguiu dar uma sistematização ao Ministério da Defesa. Acho que o Celso Amorim vai ser um desastre. Ele é um fanático esquerdista e não entende nada de Defesa. Com todo respeito aos diplomatas, mas a Defesa não é lugar para diplomata.”

Os militares que se manifestaram não quiseram se identificar por questões de protocolo da disciplina, mas fazem uma relação como se fosse um torcedor do Flamengo assumindo a presidência do Fluminense. Enquanto Jobim conseguiu conquistar autoridade como ministro da Defesa, militares temem que a nova liderança vai levar a uma crise.