Publicado em: quarta-feira, 25/04/2012

Militar brasileiro em missão da Onu diz que foi bem recebido na Síria

O capitão de mar-e-guerra brasileiro, Alexandre Feitosa, é um dos oito observadores estrangeiros que integram a missão da Organização das Nações Unidas (ONU) na Síria. Feitosa afirmou que a cidade de Homs está respeitando a trégua. Esta localidade é vista pelo governo do país como uma cidade de resistências ao regime sírio.

O militar afirma que a equipe foi bem recebida não apenas pelos opositores como também pelo presidente do país, Bashar Al Assad. Mais de 10 mil pessoas morreram em decorrências dos conflitos do país em 13 meses, segundo os registros feitos pela ONU.

Conflitos intensos

Mesmo com a trégua, as ONGs afirmam que os conflitos entre a oposição e as forças do governo permanecem intensos em diversas áreas do país. A missão na qual o brasileiro está incluso está fixada na cidade síria permanentemente e, segundo Feitosa, mais de 60% do local continua sua rotina, com o comércio, as escolas e as mesquitas funcionamento normalmente.

A missão da ONU também deverá ir até Idlib, cidade considerada um foco de resistência ao governo de Assad. No local, os observadores também irão fixar um posto de observação permanente. O envio de observadores para a Síria foi aprovado no dia 21, sendo que 300 deles ficarão por 90 dias no país.