Publicado em: sábado, 09/02/2013

Microsoft e Symantec fazem a desativação de quadrilha que realizava crimes cibernéticos

As empresas de software Microsoft e Symantec fizeram a desativação de servidores que podem permitir uma quadrilha internacional de crimes em informática ter o controle sobre milhares de computadores sem que os donos saibam o que ocorre.

Computadores que foram infectados estavam com pesquisas na web redirecionadas para um site falso que os criminosos controlavam. Após este desligamento, os internautas não conseguem mais realizar pesquisas, pois o código que realizava o redirecionamento vai continuar dentro do sistema. A Microsoft junto com a Symantec estão fazendo o controle do endereço utilizado e, quando houver redirecionamento do usuário pelo vírus, ele vai ver uma mensagem que informa que houve a infecção e maneiras para que ela seja removida do sistema para que seja restaurado o acesso à internet.

Técnicos com serviço de duas empresas realizaram buscas nas centrais de processamento em Weehawken no estado de Nova Jersey e em Manassas na Virgínia, junto a policiais federais durante a quarta-feira (6), eles cumpriram mandados que foram expedidos no tribunal federal dos Estados Unidos na cidade de Alexandria na Virgínia.

Os técnicos fizeram a apreensão de um servidor em Nova Jersey e convenceram que os operadores na Virgínia pedissem a desativação de um servidor holandês, informou o diretor jurídico assistente Richard Boscovich na divisão dos crimes digitais da Microsoft.

Boscovich afirmou para a Reuters que tinha uma alta taxa de confiança de que esta operação tinha conseguido fazer com que o crime cibernético fosse detido, do formato chamado de Bamital.

A Bamital fazia o sequestro dos resultados das buscas e fazia a aplicação de golpes que, conforme as empresas, faziam a realização de cobranças de com fraudes em publicidade online e de empresas.

As pessoas que organizavam a Bamital tinham capacidade de que fossem tomados o controle de computadores que estavam infectados e eram instalados neles vírus que poderiam roubar a identidade, utilizados computadores nos ataques para sites e realizados outros crimes de computação.