Publicado em: sexta-feira, 01/07/2011

Meta de inflação definida pelo Governo é de 4,5%

A meta da inflação para o ano de 2013, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), foi definida em 4,5 por cento. A definição é a mesma dos últimos nove anos, tendo como tolerância dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Para o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, a decisão da mesma taxa de inflação busca o controle inflacionário e a flexibilidade à política monetária “compatível com o Produto e com o cenário internacional de incertezas”.

O secretário ainda afirma que A determinação do governo é em duas direções: manter a inflação controlada, preferencialmente dentro do centro da banda, e a outra é enveredar esforços para menores metas no futuro. Com a meta definida, a posição do presidente do banco Central, Alexandre Tombini, de reduzir a taxa para um índice mais próximos aos outros países emergentes, é adiada.

A opinião de Tombini faz referência ao país adotar altas metas de inflação mesmo com a prática de juros altos, entre os mais elevados do mundo. Para ele, a taxa atinge um nível desconfortável, considerando os intervalos positivos de tolerância.

A previsão de especialistas é que o mercado financeiro e inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, (IPCA), atinja a marca de 6,16 por centro. A informação é do relatório Focus.