Publicado em: sexta-feira, 02/05/2014

Mesmo após ser isentado de participação na morte do filho pela esposa Leandro Boldrini tem pedido de revogação de prisão negado

Mesmo após ser isentado de participação na morte do filho pela esposa Leandro Boldrini tem pedido de revogação de prisão negadoO médico Leandro Boldrini, pai do menino Bernardo, teve o pedido de revogação de prisão temporária feito pelo seu advogado negado pela Justiça na noite desta quinta-feira, o advogado alega que Leandro foi isentado de culpa por meio do depoimento de sua esposa Graciele Ugulini.

Em seu depoimento que foi concedido para a polícia nesta quarta-feira, Graciele contou aos policiais que Bernardo morreu acidentalmente, já que ela deu doses do sedativo midazolam, que contém a fórmula similar ao sedativo Dormonid, que é utilizado em pré operatórios ou para pacientes que apresentem insônioa.

O depoimento seguiu com Graciele declarando que o marido Leandro Boldrini desconhecia o fato da morte do filho, mas para a polícia Leandro tinha conhecimento sobre o fato e ajudou a encobrir a morte do menino que estava desaparecido desde o dia 4 do mês de Abril.

Ao saber do conteúdo do depoimento de Graciele, o advogado de Leandro Boldrini procedeu o pedido para que seu cliente aguardasse o término das investigações em liberdade, já qie pelo depoimento, Leandro não teria participação na morte do filho, porém a Justiça negou o pedido nesta quinta-feira.

A principal alegação que foi levada em consideração pela justiça foi o fato de Leandro Boldrini ter sido preso não apenas com base em especulações e sim através de indícios que dão conta de que o pai sabia da morte de Bernardo, antes mesmo de o corpo do menino aparecer.

De acordo com o advogado do médico, Leandro nega qualquer participação na morte do filho e não está lidando bem com as situações que aconteceram nos últimos dias, para a polícia não existem dúvidas de que o médico participou de alguma maneira do crime.

A prisão do pai de Bernardo é de caráter temporário e por isso vai até o dia 13 deste mês, já que Leandro está preso desde o dia 14 de abril, dia que o corpo do garoto foi encontrado, nesta mesma data a madrasta Graciele além de Edelvânia Wirganovicz também estão presas juntamente com Leandro Boldrini, foi Edelvânia quem denunciou e assumiu a sua participação na morte do menino Bernardo.