Publicado em: segunda-feira, 10/02/2014

Mercado de smartphones deve se retrair em 2014

Mercado de smartphones deve se retrair em 2014O mercado de smartphones no Brasil, em 2013, teve um crescimento incrível. Com um salto absurdo de vendas, este mercado cresceu 120% no ano, em comparação a 2012. Este fenômeno fez, inclusive, com que os smartphones superassem em vendas os chamados “feature phones”, ou modelos de entrada, que normalmente são mais vendidos.

Este ano deve continuar interessante para o mercado de smartphones, de acordo com especialistas e fabricantes. Contudo, é praticamente impossível manter o mesmo ritmo de crescimento apresentado no período anterior.

Projeções

A Associação da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) projetou um crescimento para este mercado de cerca de 60%, o que ainda é um ótimo valor, mas representa exatamente a metade do crescimento de 2013. Esta, inclusive, é a projeção mais otimista apresentada até o momento. Para o instituto de pesquisas IDC, a projeção de crescimento é de 36%.

De acordo com os analistas do IDC, os números apresentados em 2013 não são um padrão. Diversos fatores contribuíram para que o ano fosse excepcional, especialmente a chamada “base instalada”, ou seja, o número total de smartphones funcionando no país. No período, a base instalada ainda era muito pequena. Por isso, 2013 foi um ano em que a substituição de celulares por smartphones foi muito alta.

João Pedro Lima, da Samsung Brasil, concorda que 2014 deve ser um ano menos aquecido para este mercado. O executivo mencionou a proporção das vendas de smartphones e celulares comuns, lembrando que esta foi a primeira vez em que a venda de smartphones foi superior. De acordo com informações da consultoria GFK, em janeiro de 2013 as vendas de smartphones respondiam por cerca de 34% do mercado de dispositivos de telefonia móvel. Em dezembro de 2013, o número já era de 73%.

Compras e substituições

Como o mercado bem sabe, após a compra do primeiro smartphone, as substituições são mais espaçadas. Isso, inclusive, também pôde ser presenciado no Natal de 2013, que teve um número decepcionante de vendas. Segundo analistas, um dos fatores que contribuíram para este declínio de vendas foi exatamente o fato de que muitas pessoas já adquiriram bens que nunca tiveram antes, e agora lidam apenas com as substituições eventuais.

Apesar deste fator, o Brasil ainda tem se mostrado um excelente mercado para as fabricantes de smartphones. O país tem cerca de 270 milhões de aparelhos em funcionamento. Destes, apenas 25% são smartphones. A título de comparação, este número nos Estados Unidos é de 59%. As estimativas mais otimistas afirmam que, até o final de 2015, 100% dos norte-americanos já terão um smartphone em mãos.

Modelos mais acessíveis

De acordo com César Castro, da Nokia, outro fato contribuiu para a popularização dos smartphones no país. Até 2012, ter um smartphone em mãos era algo raro, quase elitista. A partir de 2013, começaram a surgir modelos mais acessíveis para uma grande fatia da população. Neste sentido, um dos fatores importante foi a inclusão de smartphones mais baratos na chamada Lei do Bem, que oferece uma desoneração fiscal para modelos fabricados no país.