Publicado em: sexta-feira, 09/03/2012

Mercadante diz que lei do piso incentiva jovens a serem professores

Aloizio Mercadante, o atual Ministro da Educação, defendeu ontem, quinta-feira (8), durante a abertura de uma reunião do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), realizada em Natal, no Rio Grande do Norte, o reajuste no piso nacional para o profissional do magistério. O ministro acredita que o reajuste 22,22% é uma forma de atrair jovens estudantes para a carreira de docente. “Sei que para alguns estados e municípios, o reajuste pode ter sido forte e gerar dificuldades, mas, estamos falando de apenas dois salários mínimos”, disse.

O ministro também aproveitou para destacar que alguns secretários e a governadora do estado, Rosalba Carlini, que estavam ali presentes, atuavam como parlamentares quando o piso e a base de reajuste, proporcional ao Fundeb, foram aprovados no Congresso, no ano de 2008. “Nós votamos na lei e não houve objeção. Ao contrário, houve um grande consenso. Se não recuperarmos o valor do piso dos professores não teremos como atrair os jovens para a carreira. E todos sabemos que somos carentes de professores em todas as etapas da educação”, afirmou.

Jornada de trabalho

Aloizio Mercadante afirmou que ainda que o ponto da lei que determina que um terço da jornada dos profissionais do magistério fora da sala de aula também precisa ser cumprida, lembrando que o STF, Supremo Tribunal Federal, votou pela constitucionalidade da lei.

“Mas é preciso discutir essa questão dentro de um processo pedagógico. A hora atividade é para melhorar a educação, a aprendizagem e para o professor avaliar seus alunos, preparar as aulas, dedicar-se à sua formação”, destacou.

O ministro Mercadante também realizou um pedido aos secretários estaduais, para que façam uma mobilização de suas bancadas parlamentares, com a intenção de aprovar, o quanto antes, o Plano Nacional de Educação para o período constituído entre 2011 e 2020. “É fundamental aprová-lo este ano. Não podemos nos dar por satisfeitos. Precisamos aumentar os recursos para a educação”, declarou.