Publicado em: quinta-feira, 15/03/2012

Mercadante diz que kits anti-homofobia não acabarão com problemas nas escolas

Aloizio Mercadante, o Ministro da Educação do Brasil, afirmou ontem, quarta feira (14), durante a realização de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, que o polêmico kit anti-homofobia não pode ser entendido como uma solução apropriada para resolver o problema. A distribuição do kit às escolas de ensino médio foi suspensa no ano passado depois das discussões a cerca da proposta.

O deputado Jean Wylly, do PSOL 0RJ, questionou o ministro sobre quais seriam a atitudes do governo para combater o bullying que acontece contra os alunos homossexuais dentro das escolas. A prática pode ser definida como atitudes agressivas físicas e/ou psicológicas contra crianças que são oprimidas por um grupo de colegas.

“Precisamos fazer uma pesquisa mais aprofundada e cuidadosa sobre como construir um diálogo que respeite a diversidade em todas as suas formas, a pluralidade”, tentou responder o ministro. “Vamos ter que estudar mais a fundo a homofobia e como dialogar [com os setores da sociedade], porque o enfrentamento direto, eu acho que não vai ajudar. Simplesmente lançar um material didático, produzir um vídeo e lançar na escola, isso não vai resolver”.

Kit contra homofobia

No ano passado, o Ministério da Educação produzia um kit, onde o conteúdo era um material didático que incluía vídeos e cartilhas, com a intenção de combater a homofobia. Os kits iam ser entregues ao sistema público de educação do nível médio, mas depois dos protestos por parte das bancadas religiosas na Câmara e no Senado, os pacotes tiveram a distribuição cancelada. A presidente Dilma solicitou que o material fosse reelaborado.

“O clima que nós criamos aqui, no Congresso Nacional, longe de contribuir para o debate, só acirrou as posições. E quem vai pagar a conta dessa intransigência, dessa polarização, são as crianças mais frágeis que estão lá na ponta do sistema”, declarou Mercadante.