Publicado em: sábado, 05/05/2012

Mercadante deve avaliar demandas dos servidores federais do ensino técnico

Aloizio Mercadante, ministro da Educação, disse que vai tentar atender as reivindicações dos servidores federais do ensino técnico. Ontem, enquanto o ministro visitava o Colégio Pedro II, em Realengo, na zona oeste do Rio, funcionários o aguardavam na porta. Em função do local, o encontro foi informal, mas contou com a participação de representantes do Sindicato Nacional dos Servidores Federais (Sinasefe) e também de outros movimentos de apoio. A pauta a ser apresentada é da carreira única para magistério e a equiparação salarial entre professores de nível técnico e superior.

Segundo Fabiano Godinho Faria, professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), o regime de trabalho também deve ser o mesmo. Em contrapartida, o ministro disse que as pautas já estão em discussão no governo, mas que essa não é uma discussão simples. Segundo ele, a hora atividade deverá ser desempenhada, pois isso serve para atender os alunos e fazer o planejamento das atividades. Ele disse ainda que vai examinar o pedido de correção salarial juntamente com o Ministério do Planejamento. Mercadante disse que vários reajustes já estão sendo corrigidos de acordo com a inflação, como é a o caso das bolsas de pós-graduação. Isso significa que a matéria ainda está em negociação.

Outro ponto de discussão na reunião improvisada foi o fato de as decisões do instituto não passarem pelos servidores. Farias disse que democraticamente, as decisões administrativas dos institutos deveriam passar por avaliação também dos servidores. Esse ponto da pauta veio à tona depois que dois diretores dos campi Caxias e Realengo do instituto, foram exonerados de forma “arbitrária”, segundo Farias. Outro problema é a expansão da rede, pois os professores reclamam que estão sem condições de trabalho em algumas sedes do instituto.