Publicado em: terça-feira, 18/09/2012

Mensalão – Joaquim Barbosa condena cinco réus e reafirma e existência do mensalão

Mensalão - Joaquim Barbosa condena cinco réus e reafirma e existência do mensalãoA análise que foi feita pelo atual relator do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa, referente ao julgamento do desvios de verbas na Era PT –Lula, que está em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF), é a de que não adianta negar : o mensalão realmente existiu!. Ontem (17) cinco réus que foram julgados foram considerados culpados pelo magistrado pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e de corrupção passiva. Depois de atestar a toda a existência do fraudulento esquema de compra de apoio político com verbas que eram oriundas dos diversos desvios de dinheiro público, o relator julgou unicamente as acusações que estavam recaindo sobre os membros do Partido Progressista (PP) e também de seus associados.

Sendo assim, foram considerados culpados o deputado federal cassado Pedro Corrêa, que era então presidente do PP, Pedro Henry, que era líder do partido na Câmara, João Cláudio Genu, que era o ex-assessor do deputado José Janene, além dos sócios da corretora Bônus Banval, Enivaldo Quadrado e também Breno Fischberg. Mesmo tendo falecido em 2010, o ex-deputado José Janene, que era vice-líder do PP, também esteve entre os que foram considerados culpados pelo relator.

Além de toda a ala do PP, essa fatia do processo vai julgar mais 18 réus, dos quais oito são políticos. Estão nesta lista: José Dirceu, Marcos Valério e seus sócios, José Genoino, Delúbio Soares, os ex-deputados do PTB Roberto Jefferson, que é o presidente nacional do partido atualmente, o deputado federal Valdemar Costa Neto (PR-SP), Romeu Queiroz, e os também ex-deputados Bispo Rodrigues (do extinto PL) e José Borba (PMDB).

Na argumentação, Barbosa chegou a citar trechos do depoimento de Corrêa, em que ele admitia a participação do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (que foi apontado pela Procuradoria como sendo o grande líder de todo o esquema), nos acordos referentes ao PT e PP, que chegaram a originar o pagamento das referentes propinas.