Publicado em: quarta-feira, 03/10/2012

Mensalão – Cúpula do PT começa a ser julgada hoje

Mensalão – Cúpula do PT começa a ser julgada hojeA alta cúpula do PT, abrangendo também o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, bem como o ex-presidente da sigla José Genoino e o ex-tesoureiro Delúbio Soares, começarão a serem julgados ainda hoje (3) no STF (Supremo Tribunal Federal). Para a Procuradoria Geral da República, eles teriam sido os responsáveis por terem montado uma estrutura com o objetivo de arrecadar de maneira ilegal a compra de apoio político no primeiro mandato do governo Lula, entre 2003 e 2006.

Os referentes réus foram acusados de ter envolvimento direto em corrupção ativa e também em formação de quadrilha, porém só o crime de corrupção ativa vai ser analisado nesta fatia do julgamento. A 31ª do julgamento do mensalão, que já completou dois meses ontem, vai ter início com as opções dos votos do ministro-relator, Joaquim Barbosa, que vai apresentar seu votos sobre 10 réus.

Além dos petistas, esta parte que integra o item 6 da denúncia, também vão responder por corrupção ativa: o publicitário Marcos Valério bem como seus ex-sócios Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, Rogério Tolentino, que era o advogado de Valério, como também suas ex-funcionárias que trabalhavam na agência SMP&B, Simone Vasconcellos e Geiza Dias e também o ex-ministro dos Transportes que é o atual prefeito de Uberaba, Anderson Adauto. Este grupo diretamente ligado a Valério já teve a condenação em todas as outras fases do julgamento pelos crimes de peculato, corrupção ativa e também por lavagem de dinheiro.

A previsão será de que o voto de Joaquim não adote toda a sessão. Se isso acontecer, vai haver tempo para que o ministro-revisor, Ricardo Lewandowski, comece a leitura de seu voto.

Assim que sejam concluídos os votos referentes ao item 6 do processo, que já é o quarto que está sendo analisado pelo Supremo, os ministros deverão decidir ainda sobre outros três tópicos da denúncia: itens 7 que faz referência á lavagem de dinheiro pelo PT, 8, que fala sobre evasão de divisas e 2 sobre formação de quadrilha. Anteriormente, já foram decididos os itens 3, que são de contratos que as agências de Marcos Valério tinha com o Banco do Brasil e com a Câmara dos Deputados, bem como o item 5, que fala sobre gestão fraudulenta do Banco Rural, além do item 4 , que cita lavagem de dinheiro.