Publicado em: quarta-feira, 03/10/2012

Mensalão – Começa hoje julgamento de Dirceu e petistas no STF

Mensalão - Começa hoje julgamento de Dirceu e petistas no STFNesta quarta-feira (03) começa o julgamento dos políticos petistas no caso do mensalão. Serão julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o ex-presidente do PT José Genoíno, o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, o ex-ministro chefe da casa civil José Dirceu, entre outros. Os três serão julgados pelo crime de corrupção ativa.

A Procuradoria-Geral da República aponta José Dirceu como sendo o grande nome do esquema que teve operação realizada por Delúbio Soares em conjunto com o empresário Marcos Valério.

Dirceu foi chefe da campanha que conseguiu eleger o ex-presidente Lula no ano de 2002 e foi quem teve papel como grande tecedor político do governo do Partido dos Trabalhadores, ao negociar acertos com partidos da base aliada.

Para se defender no processo que foi denominado como mensalão, Dirceu admitiu a negociação com a base aliada, mas o político negou que o assunto que foi tratado com eles era financeiro, e afirmou que ficou longe da administração do Partido quando assumiu a chefia da Casa Civil.

O ministro quando foi interrogado no processo, disse que organizou e negociou apenas a criação da base dos políticos aliados, que unia os partidos do PP, o extinto PL, (chamado hoje de PR), o PTB e o PMDB, no qual os líderes foram condenados no processo do mensalão.

Quando o ex-chefe da casa civil era interrogado pela juíza federal Silvia Rocha em 2008, lhe foi perguntado se o ex-ministro da pasta, Aldo Rebelo (PC do B), havia acertado as negociações para a criação da base aliada, Dirceu disse: “Não, foi eu que organizei e negociei a base aliada entre janeiro de 2003 a janeiro de 2004, que eu era o ministro responsável pela articulação política”.

Durante este período, o esquema formado pelo PT e Marcos Valério já tinha recebido R$ 30 milhões de um fundo que o Banco do Brasil controlava e R$ 2 milhões a mais que a quantia anterior, em concessão de empréstimos pelo Banco Rural e que era fraudados, segundo informou o STF.