Publicado em: sábado, 30/07/2011

Medida cambial vai ajudar a reduzir a dívida pública, diz BC

A crescente desvalorização do real frente ao dólar americano, após as medidas cambiais tomadas na última quarta-feira (27), leva o Banco Central (BC) a estimar que a dívida líquida do setor deve cair para 39,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em julho. Em junho, o índice era de 39,7%.

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, informou que a projeção toma como parâmetro a taxa de cambio de R$ 1,56, no fechamento dessa sexta-feira (29). Ele voltou a lembrar que a desvalorização cambial tem efeitos positivos na dívida líquida, já que o governo tem fortes ativos dolarizados, como as reservas internacionais do país.

Segundo o BC, cada 1% de aumento ou queda na taxa de câmbio leva a uma variação imediata de 0,12% na relação dívida líquida versos PIB, para cima ou para baixo.. Porém, a sensibilidade dos juros sobrea a dívida é de 0,28% se a variações foi de 1% na taxa básica Selic, que é contínua por 12 meses.

Para este ano, o BC mantém a projeção da dívida líquida em 39,5% do PIB. Para junho, a projeção de Maciel para a dívida bruta do governo geral (que inclui governo federal, previdência e governos regionais) é de queda para 55,7%, em junho a queda era de 56%. Para o ano, deve cair a 55%, segundo a previsão do BC.