Publicado em: terça-feira, 25/10/2011

Médicos do SUS paralisam serviço por melhores condições de trabalho

Médicos do Sistema Único de Saúde (SUS) de 21 Estados brasileiros iram deixar de atender nesta terça-feira, dia 25 de outubro, em protesto para melhores condições de trabalho e aumento de salário. A paralisação do serviço irá durar 24 horas, mas eles garantem que iram realizar trabalhos de urgência regularmente aos pacientes. Consultas e exames não serão feitos.

Amazonas, Acre, Amapá, Espírito Santo, Alagoas, Bahia, Maranhão, Pará, Goiás, Rondônia, Pernambuco, Minas Gerais, Paraíba, Sergipe, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Ceará e Rio Grande do Norte estão entre os estados que aderiram à suspensão. Em São Paulo e Santa Catarina, o movimento deve durar algumas horas. Já no Piauí, a paralisação deve durar por três dias. Em Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Tocantins, Paraná, Roraima e Rio de Janeiro, haverá somente atos públicos e manifestações.

Estima-se que 100 mil dos 195 mil médicos que atendem pelo SUS não atendam. O movimento é comandado pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Associação Médica Brasileira (AMB) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Os profissionais buscam melhores condições de trabalho (como mais leitos nos hospitais), financiamento para a saúde pública e aumento salarial.

De acordo com Cid Carvalhares, presidente da Fenam, o movimento está sendo realizado com responsabilidade, pois é um compromisso com a saúde dos brasileiros. Nos Estados que aderiram à suspensão, não haverá consultas, exames e outros procedimentos que já foram agendados.