Publicado em: quinta-feira, 11/08/2011

Médicos do SUS e de planos de saúde prevêem paralisações

Os médicos que atendem pelos planos de saúde irão suspender os atendimentos clínicos no dia 21 de setembro, a paralisação deve atingir todo o território nacional e pretende reivindicar reajustes periódicos nos honorários. Os médicos recebem hoje R$ 32 por consulta, mas exigem que as operadoras de planos de saúde passem a pagar o valor de R$ 80 no mínimo pelos atendimentos.

Em São Paulo as negociações com as empresas já começaram, e a Comissão Estadual Mobilização Médica para a Saúde Suplementar divulgou um cronograma das paralisações no estado a partir de primeiro de setembro. Deixarão de serem atendidos 3,2 milhões de paciente. De acordo com o cronograma, os médicos que atendem ginecologia e obstetrícia irão parar de 1° a 3 de setembro, os otorrinolaringologistas de 8 a 10, os pediatras de 14 a 16, ortopedistas e traumatologistas de 19 a 2, pneumologistas e tisiologistas de 21 a 23 e cirurgiões plásticos de 28 a 30.

Já os médicos prestam atendimento de rotina pelo Sistema Único de Saúde (SUS) pretendem fazer uma paralisação, também nacional, no dia 25 de outubro, conforme informou o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Cid Cavalhães. O objetivo da paralisação é chamar a atenção do governo federal sobre a necessidade de melhorias em todos os hospitais e postos de saúde da rede pública.

A paralisação dos médicos do SUS foi acertada no dia 5 de agosto, em reunião da Comissão Pró-SUS, formada por membros da Fenam, Conselho Federal de Medicina e da Associação Médica Brasileira.