Publicado em: terça-feira, 27/05/2014

Médico afirma ter sido excluído do programa Mais Médicos após reclamar das condições de trabalho

Médico afirma ter sido excluído do programa Mais Médicos após reclamar das condições de trabalhoApós fazer reclamação sobre as condições de trabalho, que são ofertadas pela Secretaria Municipal de Saúde, na comunidade Nossa Senhora do Livramento, que se localiza a 7 quilômetros de Manaus, o médico Marcos Antonio Ferreira, comunicou por meio de denúncia que ele foi expulso do programa Mais Médicos, Marcos já estava no terceiro ciclo do programa do Governo Federal.

Marcos, que já reside no município há dois anos e trabalhou como voluntário na comunidade do Pau Rosa, declarou que em meio ao trajeto até a comunidade de Nossa Senhora do Livramento ele fez críticas sobre a segurança da embarcação que realiza o transporte dos profissionais e também reclamou da falta de coletes salva vidas, além disso Marcos disse também que fez críticas em relação a estrutura do posto de atendimento existente no local.

Segundo o médico no dia em que ele iniciaria suas atividades, ele recebeu a notícia de que haveria sido cortado do programa, isso sem ao menos ter havido uma publicação de que o médico havia sido exonerado de seu cargo, no Diário Oficial da União, de acordo com Marcos, ele foi punido por conta de uma reclamação, ele diz que não houve nenhuma investigação para saber o que de fato ocorreu, segundo o médico, parece que os profissionais devem concordar com todas as condições encontradas nos lugares onde irão atuar e não procederem reclamação alguma.

Marcos Antonio declarou que ele entrou com um processo para que ele tenha o direito de retornar ao programa, o médico diz que espera que através desse processo judicial, seja feita a justiça já que em nenhum momento, segundo Marcos, foi lhe dado o direito de se defender.

A Secretaria Municipal de Saúde informou por meio de sua assessoria que o médico Marcos Antonio não foi removido do programa e sim que o profissional decidiu não trabalhar em nenhum posto de atendimento que lhe foi ofertado, segundo o órgão foi dada a opção para o médico de trabalhar na Unidade Básica de Saúde, localizada na Zona Leste da cidade e também a Unidade de Nossa Senhora do Livramento e ambas foram recusadas pelo profissional.