Publicado em: quarta-feira, 22/01/2014

Medicamento essencial para o tratamento de leucemia será distribuído no SUS

 Medicamento para o tratamento de leucemia será distribuído no SUSEm 2015 o Brasil vai começar a produzir o medicamento L-Asparaginase, indispensável no tratamento de crianças com leucemia. A ação poderá ser realizada por meio da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), e terá que ser feita porque o produtor estrangeiro interrompeu a fabricação no mesmo período. Essa informação foi repassada para o governo federal pela empresa brasileira que distribuía o remédio. Segundo a empresa, o medicamento disponível em estoque será suficiente somente até o meio deste ano.

Visando evitar que o fornecimento do medicamento parasse, o Ministério da Saúde resolveu investir na compra de mais de 52 mil frascos, com custo de aproximadamente R$ 17 milhões. A compra será suficiente para cobrir a demanda nacional por ano, que chega até a três mil crianças. Esta atitude fez com que Naiara, mãe de Isabele, ficasse mais tranquila em relação ao tratamento da filha. Segundo Naiara, os médicos informaram a ela que talvez o medicamento ficasse em falta, porque ele estava a muito tempo fora do mercado, e que somente agora retornaria. Mas, a mãe agradeceu e disse que felizmente isso não ocorreu e que hoje a sua menina está curada.

Segundo a mãe, a família descobriu que a menina tinha a doença em junho de 2013, e que a descoberta mexeu muito com a família, pois ela não trabalhava, e o marido, que é vendedor, se abalou muito. De acordo com Naiara, ele chegou até a ficar perturbado e não conseguia se concentrar em nada que fazia, e desse jeito teve que deixar o emprego. A menina segue com o tratamento, que deve ter a duração de no máximo dois anos e meio, e já levou oito injeções do L-Asparaginase.

A doença – a leucemia afeta os leucócitos, mas conhecidos como glóbulos brancos. A maior das características da doença é o acúmulo de células jovens anormais na medula óssea. Os sistemas da leucemia acontece quando essas células se acumulam e, prejudicam ou impedem, a produção dos glóbulos vermelhos, brancos e das plaquetas. Quando isso acontece, o portador pode ter anemia, infecções e até hemorragias. Por isso, quando descoberta, o tratamento deve ser feito imediatamente.