Publicado em: sábado, 03/03/2012

MEC quer explicações da Unip em caso de suposta fraude no Enade

A assessoria do MEC, Ministério da Educação, confirmou ontem, sexta feira (2), que recebeu uma denúncia sobre supostas fraudes nas notas do Exame Nacional de Desempenho de Estudante (Enade) da Universidade Paulista (Unip). A denúncia foi feita por outra instituição de ensino superior. Após tomar conhecimento da denúncia contra a Unip, o ministro Aloizio Mercadante determinou que a instituição preste explicações sobre as acusações.

Foi encaminhado à Unip um ofício do MEC na quinta feira, determinando que a Universidade tem um prazo de dez dias para responder ao ministério. Segundo o suposto esquema, divulgado na edição online do jornal O Estado de S. Paulo, a Unip “escondia” os alunos com baixo desempenho, lançando a nota dos estudantes apenas depois das inscrições do Enade.

Em entrevista a um portal da internet, Marília Ancona Lopez, vice-reitora da Unip, negou as acusações. “Discordamos totalmente dessa denúncia. Em nenhum momento lançamos as notas de alguns alunos depois do prazo. Sempre obedecemos aos critérios do MEC, fizemos a inscrição de todos os alunos concluintes e que haviam cumprido 80% da carga horária do curso”, declarou.

Ela ainda afirmou que a denúncia, realizada por outra instituição de ensino que não teve o nome revelado, pode ter motivada pelos bons resultados da Unip nas últimas avaliações do Ministério da Educação. “Mas para nós isso não é surpresa, é resultado de um trabalho que desenvolvemos desde 2008 para melhorar a qualidade do nosso ensino”, afirmou a vice-reitora, destacando ainda que não recebeu nenhum documento do MEC. Mas afirmou que a Universidade Paulista está pronta para responder todos os questionamentos, sem nenhum “temor”.

Sobre o Enade

O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) é uma prova escrita. O exame é aplicado anualmente para avaliar os cursos do ensino superior brasileiro. A aplicação da prova é responsabilidade do Inep, mesma instituição que aplica o Enem, exame de avaliação do Ensino Médio.

Realizam a prova estudantes ingressantes e concluintes no ensino superior. O estudante que não participar do Enade é impedido de concluir o curso, não recebendo o diploma. Em 2004, o Exame substituiu o antigo Provão, o Exame Nacional de Cursos, desenvolvido em 1996.

O Provão era um exame que também pretendia avaliar os cursos de graduação do ensino superior brasileiro. Foram oito edições realizadas anualmente pelo Inep, entre 1996 e 2003.

A avaliação fazia o ranking as instituições de ensino superior, exigindo uma melhoria das piores avaliadas com medidas como, contratação de mestres e doutores, melhores instalações de laboratórios e bibliotecas, entre outras exigências. A reincidência de um curso entre os piores na classificação poderia terminar com o fechamento pelo MEC.