Publicado em: quinta-feira, 16/05/2013

Mauricio Mattar vence na Justiça e juíza alega que sua filha deve trabalhar

Mauricio Mattar vence na Justiça e juíza alega que sua filha deve trabalharA confusão envolvendo o caso de pensão alimentícia entre Maurício Matta para a filha Petra ganhou mais um capítulo. A Juíza de Direito que julgou a redução da pensão nesta terça-feira (14) aconselhou em sua sentença que a jovem de 18 anos deveria ser incentivada a trabalhar para poder garantir seu próprio sustento.

Na terça, o ator ganhou na 11ª Vara de família e Sucessões, da cidade São Paulo, o direito de reduzir o valor da pensão de R$ 11.384 para R$ 4,5 mil.
Em informações divulgadas pelo site “Ego”, Claudia Caputo Bevilacqua Vieira.

Juíza do caso, proferiu em sua sentença que aceitou o argumento apresentado pelo advogado de Mauricio Mattar para a redução em que alega que como a jovem já completou 18 anos e já é apta para trabalhar pode ajudar a custear as suas despesas.

Em um dos trechos da sentença de Claudia Caputo ela considera que a jovem é perfeitamente saudável e apta para o trabalho, sendo capaz de contribuir para a garantia do seu próprio sustento, assim a pensão recebida pelo pai seria apenas um complemento.

A Juíza reconhece que o fato de Petra ter abandonado a escola no 3º ano do ensino médio, ainda implica no recebimento da pensão do seu pai para poder custear o final dos seus estudos, sendo que, se a inércia injustificada prosseguir a obrigação da pensão alimentar pode ser exonerada.

Ainda na sentença, a Juíza alegou que Fabiana Sá, mãe de Petra, também é responsável pelo sustento da filha, mesmo que não tenha um emprego estável, ela deve contribuir com a subsistência requerida pelo filha dentro das suas limitações.

Em entrevista ao site “Ego|” logo depois da divulgação da sentença a seu favor, o advogado de Mauricio Mattar contou que explicou que a decisão da Justiça é retroativa à 2010. O ator chegou a ser ameaçado de prisão por não pagar a soma de R$ 116.279,52, para filha, mas que agora com a recontagem do valor o montante deve chegar apenas a 13,5 mil agora.

Rogério Rayol explicou ainda que a Juíza levou em consideração o fato que Mauricio continuou a pagar o aluguel e o condomínio do apartamento em que Petra vive durante os dez meses que deixou de fornecer a pensão.