Publicado em: quarta-feira, 26/06/2013

Material reciclável pode ser trocado por comida no México

Material reciclável pode ser trocado por comida no MéxicoNo único país latino da América do Norte tem um Mercado do Escambo. O México está revolucionando a forma de pagamento por comida e a população pode recebê-la em troca de material que possa ser utilizado no processo de reciclagem. O local foi criado pelo governante da capital mexicana, Cidade do México. Lá, as pessoas formam filas para trocas embalagens de papelão, plásticos e metais por produtos agrícolas produzidos na própria região.

A população mexicana encontra os materiais na rua e os trocam por pontos cumulativos. Depois, conseguem reverter tudo o que cataram por alimentos cultivados de forma orgânica. O mercado está localizado no bairro chamado Tlalpan, que no sul da Cidade do México. As pessoas pensam que a idéia é genial porque evita que muito material vá para os lixões e ainda dá condições de as pessoas se alimentarem.

Todos os meses, cerca de duas mil pessoas trocam o lixo por comida no Mercado do Escambo. O modelo de economia surgiu no ano de 2012 pelo governo esquerdista. O objetivo é conscientizar sobre o uso de embalagens e de que existem formas de por fim aos depósitos de lixo.

A idéia está surtindo efeito e ganha adeptos a cada dia. A Cidade do México possui uma população de 20 milhões somando sua área metropolitana. Por isso, é preciso esperar cada vez mais para conseguir trocar o material no Mercado do Escambo. Na capital mexicana a separação de lixo orgânico do reciclável está prevista em lei desde o início de 2011.

A cidade é considerada uma das mais poluídas de todo o mundo. Quem comemora também é o produtor agrícola local que consegue vender mais facilmente suas mercadorias. Além disso, conseguem um preço melhor que é pago pelo governo e não pelo mercado comum.

Só em 2012, aproximadamente 170 mil toneladas de recicláveis foram arrecadados. Em 2011 também foi fechado um lixado chamado Bordo Poniente, que chegava a ter cerca de 6 mil toneladas de lixo a cada dia. O lixão de grande porte, assim como acontece também no Brasil, estava liberando muito gás metano. O material é tóxico. Por isso, o lixão passou a produzir energia elétrica e 3 mil toneladas de lixo reciclável são encaminhadas para empresas processadoras.