Publicado em: terça-feira, 02/09/2014

Marina diz que Bíblia é fonte de inspiração, mas as decisões são racionais

Marina diz que Bíblia é fonte de inspiração, mas as decisões são racionaisNessa segunda-feira (1), foi a vez da candidata à Presidente pelo PSB, Marina Silva, ser entrevista pelo Jonas da Globo. A ex-senadora – evangélica – foi questionada sobre o fato de ser verdade que tomava as decisões baseada na Bíblia, Marina afirmou que qualquer pessoa cristã ou judia, a Bíblia é uma fonte de inspiração. Diz ainda que, todos agem com base na relação realista dos fatos, mas os seres humanos têm uma subjetividade. Uma pessoa que crê, certamente terá a Bíblia como referência, assim como existem referências na arte e na literatura.

Às vezes pode despertar algo assistindo um filme, o quanto já foi investido e avançado na ciência e na tecnologia, pela capacidade antecipatória que se encontra, na indústria cinematográfica. A jornalista Christiane Pelajo voltou a questionar se é verdade que ela toma as decisões lendo aleatoriamente. A presidenciável responde que essa é uma forma que as pessoas estão construindo para tentar passar uma imagem de que ela é fundamentalista, ‘coisas que gente de má-fé acaba dizendo’, completa.

Preceitos religiosos

O jornalista William Waack pergunta à candidata qual é o tamanho do amparo que ela possui em preceitos religiosos, já que pretende ser governante de todos os brasileiros. Marina ressalta que este, é o mesmo amparo que se pode ter por meio de outros referenciais. Ela reforça que, a Bíblia é uma fonte de inspiração para qualquer pessoa que é cristã ou judeu, entretanto, existem outras, das quais já citou. A candidata garante que as decisões são tomadas com base nacional para todas as pessoas, sem exceção. Logo em seguida, a ex-senadora disse que dificilmente alguém irá encontrar uma pessoa que diga que ela é totalmente racional, e se alguém dissesse, esta pessoa estaria presa à realidade e se algum especialista fosse analisar e ver o que esta pessoa tem, poderá perceber que ela tem uma subjetividade pobre.