Publicado em: terça-feira, 23/08/2011

Mantega acredita que projeção do crescimento do Brasil será reduzida

Nesta terça-feira (22), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que é muito provável que o crescimento da economia brasileira seja rebaixo na próxima reunião do Fundo Monetário Interacional (FMI). Se a medida se concretizar, toda a economia será reavaliada. Porém, durante um evento aonde foi escolhido como economista do ano, o ministro afirmou que o governo do país ainda não irá rever as projeções do crescimento anual.

“Se houver uma queda do nível de atividade da economia internacional, vai acabar reduzindo o nível de crescimento dos emergentes”, afirmou Mantega.

Para o ministro, uma possível queda das atividades internacionais irá afetar a demanda brasileira e a consequência seria a alteração de preços das commodities, resultado na menor exportações dos produtos.

“Não vamos rever a projeção de crescimento para esse ano porque ainda não se configurou um quadro dessa natureza. Agora está havendo alguma redução da projeção da economia mundial. A projeção para 2011 era de 4,4% – a média dos países avançados e emergentes. Agora já estou vendo projeções de 4%. Daqui exatamente a um mês vamos ter a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), quando o fundo refaz a projeção até o final do ano. E acredito que ele vá reduzir a projeção de 4,4%. Temos que ficar atentos porque, se vier isso, temos que nos preparar para nos opor, contrabalançar essa tendência, e não deixar a produção cair”, explica o ministro.

Na avaliação do ministro, o país está com condições de crescer 4,5% em 2011, apresentando maiores vantagens em relações a outras nações. Mantega comentou que o Brasil possui reservas monetárias e bancos sólidos, além de um mercado de cunho doméstico forte que acaba por depender menos de exportações. Na sua explicação, ele comparou o Brasil com a China, que possui 40% do seu PIB (Produto Interno Bruto) resultante das exportações, enquanto o Brasil tem apenas 13%.