Publicado em: quinta-feira, 08/03/2012

Manifestantes protestam contra Código Florestal

Um protesto contra a votação do novo Código Florestal reuniu cerca de 1.100 pessoas na manhã de ontem (7) em Brasília. Os manifestantes vieram de todas as partes do país e, inclusive, de outros países da América Latina e se reuniram no gramado em frente ao Congresso Nacional. Essa ação contra a votação do novo Código faz parte da campanha nacional “Mangue Faz a Diferença”. O projeto já percorreu 35 praias brasileiras em defesa das florestas e da preservação das áreas ecológicas nessas localidades.

Depois de passar por todas as regiões do país, escolheu-se Brasília para o encerramento da campanha, em um dia importante para os rumos da defesa ambiental no país. O projeto “Mangue faz a diferença” foi coordenado por uma coligação formada por 163 organizações não governamentais que tem como pauta o meio ambiente.

De acordo com o diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, os participantes da campanha querem mostrar que estão preocupados com a votação do Código Florestal e que isso não é assunto apenas para ambientalista ou ruralista, mas é de interesse da sociedade. O diretor defende que o governo trabalhe para ajustar questões polêmicas do código e não ceda a pressões partidárias.

Para Rodrigo Nunes, militante do grupo “Mangue Faz a Diferença”, a participação da população na passeata mostrou o desgosto da sociedade com relação à gestão do governo em certas temáticas. O movimento mostra simplesmente que as pessoas não querem ver o projeto aprovado, afirmou ele. Nunes complementou que não adianta gerar alimentos de forma insustentável, pois essa prática acaba com os recursos naturais do país.

A votação do novo Código Florestal estava marcada para terça-feira (6), na Câmara dos Deputados, mas foi adiada para o dia 13 de março depois de uma reunião entre líderes da base aliada. A votação foi remarcada, segundo o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), para que o relator, Paulo Piau, possa finalizar o seu parecer.