Publicado em: quarta-feira, 05/09/2012

Mais de R$ 267 bi em benefícios ficam esquecidos em bancos

Mais de R$267 bi em benefícios ficam esquecidos em bancosOs trabalhadores do Brasil estão deixando de receber uma boa quantia em benefícios. São, em média, R$267,5 bilhões de benefícios que estão disponíveis para saque. O que acontece é que o dinheiro não está sendo sacado. As pessoas não recebem esses benefícios por dois fatores principais: o desconhecimento e o esquecimento.

Seja por fatal de informação ou simples esquecimento, o fato é que muitos desses benefícios acabam prescrevendo e com isso, o dinheiro volta para o Governo Federal.

O valor apresentado soma os saldos da Nota Fiscal Paulista (NFP), Fundo 157, abandonos do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor (PASEP) e Programa de Integração Social (PIS), além dos saldos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

BOA HORA

O fato é que dinheiro esquecido sempre aparece em uma boa hora. Portanto, os brasileiros que possuem benefícios devem procurar informações de como receber o valor que lhes é de direito. Quitar as contas em atraso e até mesmo antecipar as compras para o fim do ano pode ser boas alternativas para aqueles que contam com benefícios esquecidos.

A recuperação de valores só é diferente para o saque do FGTS. Nesse caso, a retirada só pode ser concretizada se a pessoa vai comprar ou reformar sua casa própria, em casos de doenças graves ou para aqueles que foram demitidos por justa causa.

Para os economistas, o saque de benefícios pode ser uma boa solução para aqueles que possuem dívidas ou mesmo para quem quer adquirir algum bem.

A liberação do dinheiro difere conforme o benefício. Conforme já mencionado o FGTS só pode ser resgatado em situações pontuais. Já o PIS/PASEP são disponibilizados anualmente, seguindo quase a mesma periodicidade. Quando sacados esse recursos aumentam o poder de compra das pessoas e favorecem o aumento no consumo. Além do mais, essa melhora gradual está mais associada ao número de empregos temporários e recuperação da economia nesse segundo semestre.