Publicado em: quinta-feira, 26/07/2012

Mais de 800 pessoas morrem por ano por conta do bronzeamento artificial

Uma pesquisa divulgada nesta semana diz que o bronzeamento artificial é o responsável por muita mortes em pessoas do mundo todo. Isso porque os usuários dessa técnica tem 20% a mais de chances de desenvolver um câncer de pele. Caso as sessões de bronzeamento artificial começarem antes dos 35 anos de idade, as chances de ter a doença aumentam para 87%.

O estudo, realizado na Europa, diz que um a cada vinte casos de melanoma, que é uma das formas mais agressivas do câncer de pele, pode ter sido consequência das sessões de bronzeamento artificial. Esse número representa 5,4% de todos os casos registrados.

De acordo com o pesquisador Phillippe Autier, do Instituto Internacional de Pesquisa de Prevenção da França, os aparelhos que fazem bronzeamento artificial são dispositivos que causam câncer e por conta disso as pessoas não deveriam utilizá-los.

A FDA dos Estados Unidos, a agência que regula a venda de alimentos, remédios e cosméticos no país, pode começar a proibir o uso das camas de bronzeamento artificial para usuários que tenham menos de 18 anos. No Brasil, assim como em outros 11 países do mundo, essa proibição já existe.

Os pesquisadores concluíram com os dados obtidos na pesquisa que cada sessão de bronzeamento faz com que o risco de câncer aumente 2% no final de um ano. Segundo os pesquisadores, o bronzeamento artificial causa em média 800 mortes por câncer a cada ano.

Como o uso das camas de bronzeamento artificial só começou a ser feito nos últimos anos, novas pesquisas devem ser feitas e é possível que as suas consequências sejam ainda mais prejudiciais.

Ao reunir os dados, os autores constataram que cada sessão adicional de bronzeamento amplia em 2% o risco de câncer ao final de um ano. Dos 64.000 novos casos de melanoma na Europa, 3.400 podem ser associados às camas artificiais de radiação ultravioleta. O uso de bronzeamento artificial causa, em média, 800 mortes anuais por câncer, acrescentaram os pesquisadores. De acordo com os especialistas nesse assunto, os aparelhos de bronzeamento artificial são muito mais prejudiciais do que o próprio sol para o risco de desenvolver melanomas.