Publicado em: terça-feira, 25/03/2014

Mais de 30% dos jogos do Paulistão deram prejuízo com bilheteria

Mais de 30% dos jogos do Paulistão deram prejuízo com bilheteriaNesta terça-feira, 25 de março, foi divulgado um levantamento sobre o público do Campeonato Paulista. Assim como no Carioca – cujo balanço foi divulgado um dia antes -, o Paulistão apresentou prejuízos devido ao baixo número de torcedores que compareceram aos estádios.

Ao todo, até o momento, 150 jogos foram disputados pela competição. E, em mais de 50 deles, o dinheiro arrecadado com ingressos não foi suficiente sequer para cobrir os custos da organização da partida. No total, o Paulistão teve um prejuízo de R$688 mil.

Custos

Em capa partida realizada, os mandantes têm uma série de responsabilidades, como taxas de antidoping, policiamento, confecção de ingressos, seguro e outras. Também é preciso repassar 5% da receita do jogo à Federação Paulista de Futebol. Em 2014, até o momento, 54 jogos da competição tiveram custos superiores à arrecadação.

Nesta segunda-feira, após reunião de Marco Polo del Nero, presidente da federação, com dirigentes das equipes que estão nas quartas de final, o mandatário do futebol paulista confirmou que a média de público na competição foi decepcionante. No total, o Campeonato Paulista teve um público médio de apenas 4964 torcedores por partida.

Para Marco Polo del Nero, os clubes têm uma parcela de responsabilidade no baixo público da competição. O dirigente afirmou que as equipes precisam ser criativas para trazer os torcedores de volta para os jogos.

Maiores prejudicados

Nesta edição do Paulistão, duas equipes foram as mais prejudicadas em relação à renda das partidas. O Audax, de Osasco, foi o clube com pior média de público na competição, com apenas 1016 torcedores por partida. Por isso, a equipe foi aquele a ter o maior prejuízo em um único jogo: na segunda rodada do Paulistão, os dirigentes do Audax levaram sua partida para o Pacaembu, na expectativa de que o jogo contra o Santos levasse um bom público ao estádio. Contudo, apenas 1600 torcedores comparam ingressos, gerando um prejuízo de quase R$60 mil ao clube.

A Ponte Preta, por sua vez, acumulou um prejuízo de R$90 mil. Das oito partidas em que atuou como mandante, a Macaca teve prejuízo em seis. Para o presidente do clube, Márcio Della Volpe, não há muito o que ser feito para melhorar o público do estadual, pois nenhuma das mudanças recentes conseguiu atrair mais pessoas aos estádios. Volpe acredita também que, devido à proximidade da Copa do Mundo, os estaduais tenham ficado em segundo plano este ano.

Taxas

Ernesto Garcia, presidente do Oeste, foi o único dirigente a criticar publicamente as taxas cobradas pela Federação Paulista de Futebol. Para ele, o valor de 5% aplicado a todos os clubes é desproporcional, pois as equipes de menor porte saem prejudicadas em relação aos grandes clubes do estado. A solução, para ele, seria cobrar taxas proporcionais ao porte das equipes. O Oeste conseguiu lucrar em apenas uma partida no ano, contra o Corinthians, na nona rodada do Paulistão.

Dentre as partidas deficitárias da competição, Ituano x Penapolense foi a que teve o menor prejuízo, de apenas R$69.