Publicado em: terça-feira, 15/04/2014

Mães ainda têm dúvidas quanto ao tipo de parto

Mães ainda têm dúvidas quanto ao tipo de partoUma dúvida recorrente dentre as mulheres é o tipo de parto que elas terão, pensando nisso, cientistas de mais de 20 países resolveram desenvolver um estudo a fim de entender melhor os benefícios e malefícios do parto normal e cesariano. Nos Estados Unidos, as mães optam por cesariano, sobretudo as grávidas de gêmeos (75%).

O estudo durou oito anos, no qual os cientistas fizeram uma análise aprofundada com 2,8 mil mulheres e desconstruíram inúmeros tabus, como por exemplo o fato de que o parto cesariano de mães que estão grávidas de gêmeos têm os mesmos riscos de morte que uma mulher que opta pelo parto normal.

No parto cesariano, é comum que o bebê esteja com o cordão umbilical enrolado no pescoço e dependendo da forma como a criança é retirada, pode ser enforcada, da mesma forma que o esforço da mãe e do bebê durante o parto normal pode causar uma hemorragia, causando o óbito do recém-nascido.

Outro fator importante é questão da saúde da mãe, caso ela seja diagnosticada com diabete, é necessário que ela faça o parto cesariano, tal como qualquer outro problema no coração. No caso de mulheres com HIV, é necessário que o parto cesariano seja realizado para não passar o vírus ao bebê, além de que o nascimento pode causar danos ao corpo da mulher.

De acordo com obstetras, é inquestionável que o risco que a mulher correr hoje na cesariana é menor que no passado, mas não quer dizer que não podem ocorrer. Uma pesquisa publicada em 2008 revelou que o risco no parto normal é 10 vezes menor comparado ao cesariano.

Durante o parto normal, a mãe produz uma substância chamada oxitocina, capaz de evitar danos cerebrais ao bebê, tal como hormônios que auxiliam na amamentação. No entanto, o parto cesariano favorece, pois dá um desgaste físico menor que o normal.