Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

Mãe que deixou o filho no carro já teria tentado matá-lo antes

Nesta quarta-feira (28), três testemunhas deram seus depoimentos na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) da cidade de Aparecida de Goiânia, a respeito da morte de um bebê de um ano de idade que foi esquecido dentro do carro e acabou morrendo asfixiado na terça-feira (27). As testemunhas acusaram a mãe da criança, Andressa Prado de Oliveira, de 26 anos, de ter cometido outras tentativas de matar o filho.

De acordo com informações da delegada Myrian Vidal, as pessoas que prestaram depoimento conviviam com Andressa e garantem que já puderam observar outras tentativas de homicídio dela contra a criança. Uma das testemunhas inclusive cuidava do bebê de vez em quando, e deu detalhes de como essas tentativas aconteceram.

Segundo a testemunha, que não quis se identificar, a mãe da vítima já tinha tentado afogar o filho três vezes no tanque e só não conseguiu porque vizinhos apareceram na hora e a impediram. Andressa teria enchido o tanque até que a água transbordasse e ficou rindo enquanto observava a criança se debatendo, além de afundá-la na água.

O caso teria ocorrido em dezembro de 2011 e no dia seguinte houve nova tentativa de assassinato. De acordo com a delegada, depois disso a família da testemunha se afastou de Andressa, que não foi denunciada para a polícia porque ameaçou a vizinha de morte. Ao saber da morte da criança, o pai, que está preso, enviou uma mensagem de texto para o celular de Andressa comentando que ela já havia avisado que iria matar o filho do ex-casal.

Andressa negou todas as acusações, entretanto o fato de todas as testemunhas irem contra ela, sua intenção em matar o filho já foi praticamente confirmada pela polícia, que agora espera o resultado do laudo do Instituto Médico Legal (IML) e do Instituto de Criminalística. Já a acusada está presa na DPCA de Aparecida, e deve responder por homicídio doloso, quando há intenção de matar.