Publicado em: sexta-feira, 23/01/2015

Mãe de surfista morto brutalmente sofre com a ausência do filho

A mãe do surfista catarinense morto na última terça feira, dia 20 de janeiro, está vivendo uma fase difícil, onde busca explicações para o que aconteceu com seu filho. O surfista Ricardo dos Santos se desentendeu com o policial Luis Paulo Mota Brentano, em frente a residência do jovem, na região da Guarda do Embaú. O policial confessou posteriormente que disparou duas vezes contra o surfista. As duas balas perfuraram diversos órgãos de Ricardo, que chegou a ser socorrido e ser operado quatro vezes, mas não resistiu a extensão dos ferimentos. O surfista foi enterrado na quarta feira, na cidade vizinha. A mãe do rapaz, Luciane, está desolada e afirma que o filho vai estar pra sempre na memória deles, que todos os cantos da cidade irão lembrar Ricardinho.

O rapaz tinha 24 anos e foi atingido pelos dois disparos depois do desentendimento com o policial em frente a sua própria casa. O policial alegou legítima defesa, ao confessar os disparos. Ela comenta que quer justiça, para garantir algum conforto, ainda que não traga seu filho de volta. As primeiras paixões de Ricardinho sempre foram o mar e a praia. De acordo com a mãe, desde os quatro anos de idade, ele já se agarrava na garde da varando implorando para ir surfar, pedindo para desconhecidos o levarem junto para o mar, sempre incansável.Mãe de surfista morto brutalmente sofre com a ausência do filho

A família do surfista morto vive em Palhoça, município na região da Grande Florianópolis, há muitos anos. Eles tem uma casa no morro que dá acesso a uma trilha especial, com destino a uma praia paradisíaca. Foi no mesmo local que Ricardinho acabou vendo sua vida chegar ao fim, acompanhado por muitos amigos. Com cinco anos ele já estava surfando e a mãe conta que já dava para ver nos olhos dele que o surf seria algo no sangue. Ela conta que sempre o alertava para o perigo do esporte, mas ele nunca se importou, sem se entregou de corpo e alma para o esporte. No início da carreira, o rapaz preocupou a mãe, já que ele se atirava sem medo nas ondas.

Somente depois de muita experiência é que ela se tranquilizou e confiou mais no talento do filho. Luciane ficou também impressionada com o apoio que recebeu de amigos e familiares. Ela afirma que o filho foi um grande guerreiro, que jamais será esquecido, tanto por seu talento, como também pelo carinho com o qual sempre tratou os familiares e amigos.