Publicado em: quinta-feira, 21/11/2013

Mãe de Joaquim fez mais de 15 ligações telefônicas no dia do desaparecimento do filho

Mãe de Joaquim fez mais de 15 ligações telefônicas no dia do desaparecimento do filhoA Polícia Civil de Ribeirão Preto já tem em seu poder a listagem das ligações realizadas pela mãe e pelo padrasto de Joaquim Ponte Marques, de três anos, que foi encontrado morto no último dia 10 na zona rural de Barretos. A progenitora, Natália Mingoni Ponte, cometeu 17 telefonemas entre o período do amanhecer ao entardecer do dia em que o menino sumiu.

Natália contou para amigas e o pai da criança, Arthur Paes, residente em São Paulo e pedia dados sobre o filho. Já as ligações alusivas ao telefone do padrasto, Guilherme Longo, não foram anunciadas. Para o delegado Paulo Henrique Martins de Castro, estas informações devem auxiliar a esclarecer o que de fato aconteceu com o garoto no crime que chocou a opinião pública do país.

Castro informou que há inúmeras incoerências nos testemunhos de Natália e Longo. Durante esta semana, deve ocorrer à reconstituição do assassinato com conhecimento do casal. A notícia é de que os dois vão prover elementos de maneira individual para que sejam confrontadas pela polícia posteriormente. Uma acareação entre o padrasto e a mãe do menino Joaquim está rejeitada a princípio.

O pai de Joaquim retornou ontem a cidade em que seu filho morava para acompanhar as investigações e resolver pendências sobre Joaquim como, por exemplo, seu material escolar entre outros pontos.