Publicado em: segunda-feira, 28/04/2014

Mãe de Douglas DG quer que o caso da morte de seu filho seja transferido para a divisão de homicídios

Mãe de Douglas DG quer que o caso da morte de seu filho seja transferido para a divisão de homicídiosMaria de Fátima, mãe do dançarino Douglas DG disse em meio a uma homenagem quem foi realizada neste domingo que pediu ao governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão para que ele transferisse as investigações sobre as causas da morte de seu filho para o setor de homicídios do estado.

A mãe do rapaz que foi encontrado morto em uma creche na comunidade Pavão Pavãozinho disse que um encontro com o governador não se faz necessário para que ele tenha a atitude de mudar as investigações para a divisão de homicídios, Maria de Fátima foi convidada para ter uma reunião com o governador, mas preferiu não comparecer ao encontro, que segundo ela poderia ter se transformado em uma exposição política.

Maria de Fátima também informou que peritos estrangeiros foram contratados para realizar uma segunda investigação sobre o caso da morte de seu filho, porém ela não entrou em maiores detalhes sobre a motivação que ela teve para proceder a contratação, ela apenas esclareceu que os documentos de Douglas foram entregados para eles e além disso eles também contam com acesso de todo o restante de provas que contém no caso.

As causas da morte de Douglas bem como as circunstâncias que levaram o jovem a morte ainda são desconhecidas e as informações ainda são desencontradas já que policiais afirmaram que o rapaz foi morto em meio a um tiroteio que ocorreu na comunidade, durante uma ação da Polícia contra traficantes, mas moradores dizem que não houveram troca de tiros contra a polícia e dizem que DG foi executado pelos policiais.

Até o presente momento as investigações sobre a morte de Douglas ainda prosseguem sendo realizadas pela 13ª Delegacia, que fica localizada em Copacabana, porém Maria de Fátima está lutando para que o Governador mude o caso para a divisão de homicídios do Estado, já que segundo testemunhas o dançarino foi assassinado pelos policiais.